OU
Ver todas as unidades

Hiperlordose

coluna-vertebral-hiperlordoseA coluna vertebral saudável apresenta curvaturas normais que podem ser vistas lateralmente divididas em:

– Cervical (região da coluna que é convexa ventralmente – Lordose);

– Torácica (região da coluna que é côncava ventralmente – Cifose);

– Lombar (região da coluna que é convexa ventralmente – Lordose);

– Pélvica (região da coluna que é côncava ventralmente – Cifose).

Quando vista do ângulo anterior ou posterior, nenhuma curvatura é visível na coluna saudável. É dessa forma que deve se apresentar a coluna vertebral. Mas o problema surge quando a região se apresenta com alguma curvatura que não deveria existir numa vista anterior ou posterior (escoliose) ou quando há um aumento anormal das curvaturas naturais (hipercifose e hiperlordose).

 

Desvios posturais

Dentre as principais funções da coluna vertebral podemos mencionar: suporte do peso do corpo, proteção da medula espinhal e dos nervos espinhais, promoção de maior flexibilidade ao corpo, além de exercer um papel muito importante na postura e na locomoção.

Posturas incorretas no dia a dia, quer seja no trabalho, em casa, no lazer ou durante a prática de atividades como dirigir, estudar ou dormir, por exemplo, podem afetar consideravelmente a coluna vertebral, gerando desvios que podem levar ao uso incorreto de outras articulações, como ombros, braços, quadris, joelhos e pés. Isso ocorre uma vez que, diante do desequilíbrio postural, o corpo busca compensações para manter o indivíduo em equilíbrio (o que, normalmente, também pode causar enrijecimento e encurtamento dos músculos).

Tipos de desvios posturais:

desvios-hiperlordose– Escoliose: consiste no encurvamento da coluna vertebral que pode acontecer no meio ou nos lados. Não existe somente um tipo de escoliose e os prognósticos são bem diferentes. Todavia, o tipo mais comum é a Escoliose idiopática que assume cerca de 80% dos casos e quando não se é possível identificar a causa do problema, sendo a causa hereditária a de mais forte relevância. Algumas pessoas são mais suscetíveis ao encurvamento da coluna. Isso é comum, por exemplo, durante a puberdade quando a taxa de crescimento do corpo é mais rápida, aumentando o risco de progressão da curva. E nessa faixa etária a prevalência da escoliose é mais em meninas do que em meninos. No caso de crianças e adolescentes, muitas vezes a escoliose não tem sintomas visíveis e isso perdura até que a curva progrida significativamente.

– Hipercifose: nesses casos o paciente pode ficar com uma aparência “corcunda”, pois ocorre um aumento considerável e anormal da concavidade da curva torácica da coluna vertebral. Apesar de o problema acontecer com maior frequência durante a Terceira Idade, ele também pode acometer outros públicos, inclusive jovens. E a principal causa apontada para a deformidade são os hábitos incorretos de postura no dia a dia.

– Hiperlordose: é comum que o paciente com esse desvio manifeste uma aparência de “bumbum arrebitado”, pois ocorre um aumento excessivo da convexidade da curva lombar da coluna vertebral. Vamos entender mais sobre esse desvio específico que pode ocorrer em pacientes de qualquer idade.

 

A hiperlordose

No que se refere à aparência, o paciente acometido fica com a região das nádegas mais proeminente, como se a pessoa estivesse “empinada”. Existem diferentes fatores de risco para a hiperlordose, além da má postura.

– Sobrepeso

A sobrecarga causada pelo excesso de peso pode causar sérios problemas de coluna, estar com o Índice de Massa Corporal (IMC) elevado, agravado a existência de uma barriga saliente, faz com que o indivíduo desloque o centro de gravidade da coluna para frente, desequilibrando a estrutura corporal e causando muitos prejuízos à coluna, incluindo desvios e doenças. O disco intervertebral fica desgastado e pode causar a famosa hérnia de disco. Sendo obrigatória a perda de peso como parte do tratamento para o fim das dores. O excesso de peso ainda pode ser mais prejudicial quando os músculos do abdômen estão fracos, pois essa classe de músculos precisa estar sempre forte para estabilizar e manter o alinhamento da coluna. A prática de exercícios físicos é necessária a todos, não só para os que precisam emagrecer. Quem está acima do peso deve procurar um profissional que oriente os exercícios que devam ser adequados à realidade de cada pessoa. É importante ainda ter muito cuidado com os processos de redução exagerada de peso, como as cirurgias feitas com essa finalidade. Os riscos de acentuação da lordose podem aumentar nestes casos também.

– Osteoporose

Trata-se de uma doença de instalação silenciosa. Nos estágios iniciais não existem sintomas. Com o avanço da doença, os sintomas mais comuns são as fraturas das vértebras por compressão, provocando dor e sensibilidade óssea, diminuição da estatura e aumento da cifose dorsal. É comum também fraturas do colo do fêmur, punho (ossos do rádio) e costelas. A dor está diretamente associada ao local em que ocorreu o desgaste ósseo ou a fratura. Como ocorre uma redução da altura do corpo vertebral por conta das fraturas (e consequentes danos estruturais à coluna), o aumento da lordose pode sofrer intenso estímulo.

hiperlordose-desvios-posturais– Riscos em mulheres

Um fator de risco para o caso das mulheres são os seios grandes. Muitas querem ter os seios maiores e não sabem que também existem desvantagens, pois o aumento desse tamanho com o implante de próteses de silicone pode influenciar bastante na postura, provocando sérias dores nas costas sem nenhum outro fator desencadeante. Isso não acontece sempre, mas em vários casos o corpo não está preparado para suportar o acréscimo de peso dos seios. O peso da parte da frente é suportado pela coluna que acaba cedendo à pressão e alterando a postura. A postura arqueada é provocada pela tensão física, os ombros caem para frente e os seios para traz. Mas seja devido à genética, à vaidade ou mesmo por conta da chegada da gravidez (os seios aumentam bastante o tamanho devido ao leite produzido), os seios grandes podem fazer com que as mulheres adotem uma postura inapropriada para que o corpo consiga suportar o peso causado pelo tamanho dos seus seios. É preciso procurar a ajuda de um profissional antes que problemas mais sérios de coluna se desenvolvam e se instalem, necessitando de tratamento em tempo integral. Somente um profissional especializado pode avaliar se o tamanho dos seus seios precisa de cirurgia redutora das mamas ou se o uso de sutiãs grandes e fortes, com alças anatômicas pode suportar o peso sem que precise adotar posturas erradas. Fazer exercícios que fortalecem a musculatura das costas associados aos alongamentos dos músculos, principalmente os peitorais, ajudam bastante a suportar o peso dos seios e corrigir a própria postura.

O uso correto do sutiã pode ajudar bastante a evitar os riscos de má postura e consequentes danos à coluna. Veja estas dicas:

* O modelo certo deve ser bem projetado para que os ombros não fiquem tensos. Equilibrar o peso é importante, e sutiãs inadequados podem afetar ombros e tórax, o que certamente causará dores nas costas.

* Usar o número errado pode levar não só à dor e outros prejuízos à coluna, mas também ao formigamento nos braços, à restrição respiratória, escoriações, além de dores nos seios.

* No período anterior à menstruação, após a menopausa e na gravidez, as mamas modificam seu tamanho. Nessas fases, a opção deve recair sobre modelos maiores e mais confortáveis.

* A preferência deve ser por peças de algodão e seus derivados.

* As alças nas costas devem estar paralelas ou formar um tipo de “V”. Um “V” ao contrário pode significar que as alças são muito pequenas ou estão muito apertadas.

* O centro do sutiã (a parte que junta as duas copas na frente) deve ficar ajustada ao corpo, sem deixar um espaço entre o corpo e o sutiã. Se isso acontecer, o sutiã é muito pequeno: tente um tamanho maior.

* Quanto mais larga for a alça, maior suporte você terá. Alça larga é imprescindível para quem tem seios grandes (igual ou superior ao número 46). A alça não deve pressionar nem dar a impressão de que está “cortando” a pele do ombro.

* A copa do sutiã deve acomodar os seios e ajustá-los suavemente, sem criar protuberâncias do lado ou na parte inferior dos seios. O sutiã ideal é o que possui as copas ligeiramente modeladas, é discreto, oferece suporte adequado e a costura em sua base deve garantir esse último requisito.

* As armações, de metal ou de plástico, têm a finalidade de dar mais suporte aos seios, aliviando a tensão das alças. Ao escolher uma peça com esse requisito, certifique-se de que o modelo se ajuste com perfeição ao seu seio, pois ela não deve machucar a pele dos seios.

* O fecho traseiro deve estar completamente ajustado nas costas. Se ele ficar subindo, o sutiã é muito grande. Se tiver a sensação de que ele está apertado, em 75% dos casos, você precisa de um extensor.

– Visão e Postura

Muitas pessoas não se dão conta, mas os problemas com a visão podem também afetar diretamente a postura. O sistema visual é responsável por manter o equilíbrio do corpo, assim qualquer alteração visual não tratada pode afetar a postura. A mais comum é a hiperlordose cervical (projeção do corpo para frente), pessoas com esse problema se esforçam para lançar o olhar mais adiante e o corpo compensa fazendo uma cifose torácica (corcunda) com o objetivo de manter o equilíbrio. Outro caso é o de pessoas que possuem problemas de visão para ler e encurvam as costas de maneira a se aproximar do texto a ser lido ou do objeto a ser observado, utilizando-se de uma postura inadequada. Por isso, se o paciente percebe que possui algum problema relacionado à visão juntamente à dor nas costas, deve-se procurar um oftalmologista para tratar a causa do problema.

 

Tratamento para a hiperlordose

hiperlordose-pilatesNem todos os casos precisam de tratamento. Mas quando a curva é muito rígida e a dor praticamente constante, o paciente deve procurar por ajuda médica para avaliar o problema. A cirurgia não é a primeira opção para esses casos, muitos tratamentos podem ser realizados com a administração de medicamentos específicos prescritos pelo médico e com sessões de fisioterapia, por exemplo. Os procedimentos cirúrgicos são apenas para os quadros mais extremos.

O Pilates apresenta um programa de exercícios específicos que ajudam a fortalecer e estabilizar o alinhamento corporal. A técnica está focada no fortalecimento da musculatura abdominal que, uma vez tonificada, reduz o sobrecarregamento da coluna. Com a prática, o aluno alcança músculos fortes e flexíveis, conservando as articulações livres de sobrecarga.

O Pilates pode ser considerado uma técnica de reeducação do movimento que enfatiza o reequilíbrio muscular sempre preservando a segurança e efetividade dos movimentos (todos os exercícios são realizados com uma atenção cuidadosa à postura). RESULTADOS: O Pilates corrige a postura, alivia dores, evita a progressão dos desvios posturais e previne lesões.