OU
Ver todas as unidades

Dor na coluna

dor-na-colunaPara quem sente dores na coluna, atividades simples do dia a dia acabam limitadas e, dependendo do nível, as dores podem indicar problemas graves que afetam a região. Dores nas costas podem surgir em qualquer faixa etária e em ambos os sexos, estando associadas a diferentes fatores como causa: sedentarismo, obesidade, estresse, esforço repetitivo, vícios posturais, tabagismo, dentre outros.

Em casos mais graves, a dor na coluna pode indicar a presença de uma patologia grave, como a hérnia de disco, um problema que afeta milhões de brasileiros. A hérnia de disco é um processo no qual ocorre uma ruptura no anel fibroso do disco intervertebral, fazendo com que haja um extravasamento do núcleo pulposo e os sintomas associados a esse quadro podem ser irreversíveis se não houver um tratamento efetivo.

Veja algumas causas de dor na coluna:

– Má postura no sentar e andar;

– Excessos na prática desportiva;

– Uso de salto alto;

– Enfraquecimento das estruturas ósseas provocadas pelo tempo e pela descalcificação;

– Excesso de peso;

– Aumento na barriga (que afeta a postura);

– Sobrecarga provocada, diariamente, por bolsas escolares;

– Transporte de objetos pesados;

– Forma de pisar e até problemas como o pé chato.

 

Dor na coluna na infância e juventude

 

Crianças e adolescentes também podem estar suscetíveis aos danos à coluna. Isso acontece por estarem atravessando um período de crescimento rápido e intenso, o que ocasiona desajustes posturais e encurtamentos musculares acompanhados de dor, na maior parte das vezes.

Nesta fase, as dores nas costas podem ainda ser provocadas por uma má posição na cadeira do colégio ou mesmo em casa, na hora de comer e estudar, por exemplo. Também podem ser decorrentes da quantidade excessiva de livros na mochila, em virtude da falta de exercícios físicos que fortaleçam as costas e o corpo como um todo e também por conta de hábitos sedentários, como passar muitas horas em frente à televisão ou ficar muito tempo deitado. Nota-se que todas estas características fazem parte de um comportamento que já é típico durante a infância e adolescência, justificando a quantidade crescente de crianças com queixas de dores nas costas.

Lesões provenientes de alguma queda ou pancada também podem incomodar as costas, assim como a obesidade infantil, problema cuja porcentagem de crianças vem aumentando nos últimos tempos, sobretudo, pela alimentação incorreta e sedentarismo.

 

Dor na coluna em mulheres

 

dor-na-colunaAs mulheres são bastante afetadas quando o assunto é dor na coluna. Vários fatores, além da má postura, podem contribuir para o surgimento de dores na região.

Bolsas
Apesar de funcional, as bolsas grandes e seu vasto conteúdo pode ser um perigo para a coluna vertebral da mulher, provocando dores musculares e outros problemas mais graves, como hérnia de disco e escoliose, além de uma má postura viciosa.

Para evitar mais problemas, confira algumas sugestões:

– Dê preferência a bolsas menores, assim o espaço é reduzido para as “bugigangas”;

– Confira se tudo que está na bolsa é necessário mesmo;

– Dê preferência a carteiras e necessaires menores, diminuindo o peso;

– Carregue a bolsa alternando os ombros;

– Na hora de carregar notebooks, netbooks e tablets, escolha as mochilas, que distribuem melhor o peso e não sobrecarregam um lado só.

Salto alto

O uso frequente do salto alto também pode oferecer prejuízos à saúde da coluna das mulheres. Isso ocorre porque o calçado pode gerar uma alteração do centro de gravidade para frente e a mulher, por sua vez, precisa empinar o glúteo, na tentativa de compensar, o que provoca um aumento da lordose da coluna, aumentando a tensão sobre a musculatura. Como resultado surge a dor na coluna e até problemas mais graves.

O ideal é evitar o salto alto, mas caso utilize, procure seguir algumas dicas:

– Opte pelo conforto e não pela beleza do calçado. Quanto mais fino e alto, maiores os riscos causados pelo salto;

– Nunca utilize saltos para longas distâncias;

– Indica-se calçados com saltos de até 3 cm;

– Quanto mais se usa, maior será a incidência dos problemas. Então, evite o salto alto no dia a dia, utilize-o somente em ocasiões especiais. Se sua profissão exige uso de salto, dê preferência a outros tipos de calçados para o lazer. Lembre-se que saltos plataforma também são interessantes para compor o look e trazer bem menos prejuízos ao seu corpo, uma vez que são uniformes, ajudando a distribuir melhor o peso do corpo e evitando uma postura muito incorreta.

Gestação

No período gestacional, em virtude do aumento abdominal, o peso da mulher é deslocado para frente, alterando o seu centro de gravidade e aumentando, consequentemente, a curvatura fisiológica da coluna, o que tende a gerar dores.

Seios grandes

Outro problema associado à dor na coluna para o caso das mulheres são os seios muito grandes. Muitas pessoas não sabem, mas existem algumas desvantagens, pois o aumento do tamanho dos seios com o implante de próteses de silicone, por exemplo, pode influenciar na postura, provocando sérias dores nas costas sem nenhum outro fator desencadeante. O corpo muitas vezes não está preparado para suportar o acréscimo de peso dos seios. O peso da parte da frente é suportado pela coluna que acaba cedendo à pressão e alterando a postura. A postura arqueada é provocada pela tensão física, os ombros caem para frente e os seios para traz. Seja devido à genética, à vaidade ou em virtude da chegada da gravidez (aumentam bastante o tamanho com o leite produzido), os seios grandes podem fazer com que as mulheres adotem uma postura inapropriada para que o corpo consiga suportar o peso causado pelo tamanho dos seus seios.

É preciso procurar a ajuda de um profissional antes que problemas mais sérios de coluna se desenvolvam e se instalem, necessitando de tratamento em tempo integral. Somente um profissional especializado pode avaliar se o tamanho dos seus seios precisa de cirurgia redutora das mamas ou se o uso de sutiãs grandes e fortes, com alças anatômicas pode suportar o peso sem que precise adotar posturas erradas. Fazer exercícios que fortalecem a musculatura das costas associados a alongamentos dos músculos, principalmente os peitorais ajudam bastante a suportar o peso dos seios e a corrigir a postura, evitando principalmente a dor na coluna.

 

Dor na coluna em idosos

 

dor-na-colunaOs idosos apresentam alterações fisiológicas como a diminuição da massa óssea, que pode levar à osteoporose, mais comum em mulheres. Com o envelhecimento, o processo de degeneração óssea e fraqueza muscular pode ser mais acelerado. As queixas mais comuns de dores nas costas são dos indivíduos com osteoartrite, que apresentam importante rigidez nas articulações pela manhã e dificuldades de movimentação ao longo do dia, e a lombociatalgia, que é caracterizada por uma dor na região lombar irradiada para as nádegas e face posterior da coxa, podendo alcançar até o pé.

Vale lembrar que aqueles indivíduos que sofreram alguma lesão na vida adulta ou já apresentavam determinada patologia, podem aumentar as queixas de dor devido aos problemas degenerativos comuns na fase idosa. Daí a necessidade de medidas de prevenção e de tratar o quanto antes os problemas que levam às dores, evitando, assim, um agravamento no futuro.

 

Dor na coluna em fumantes

 

O cigarro tem efeitos nocivos ao coração e pulmão, estando vinculado a doenças cardíacas, câncer e até problemas neurológicos. No entanto, pouco se fala sobre a relação desse hábito com a dor nas costas.

Estudos têm demonstrado que o tabagismo pode aumentar a incidência de dores musculares e articulares. Além disso, quando associado ao processo de envelhecimento, aumenta as chances de doenças articulares com o aparecimento, principalmente, das artrites, artrites reumatoides ou osteoartrites. As pesquisas científicas também apresentam uma estreita ligação entre o tabagismo e o aumento da dor lombar, das doenças do disco intervertebral e de complicações pós-operatórias no caso de cirurgias de coluna.

Daí a necessidade de evitar o fumo e investir em hábitos saudáveis de vida.

 

Dor na coluna em sedentários

 

A falta de preparo físico e a ausência de uma prática regular de atividades físicas promove uma fraqueza muscular nas costas, pélvis e coxas e reduz, significativamente, a flexibilidade, o que acaba interferindo na manutenção de uma boa postura e, por conseguinte, contribui para as dores nas costas.

Daí a importância de investir em uma boa alimentação, saudável e equilibrada e na prática regular de uma atividade física segura. São alguns hábitos que ajudam a evitar o sobrepeso.

Confira algumas dicas para sair do sedentarismo e evitar as terríveis dores nas costas:

– Prefira subir e descer escadas ao invés de usar o elevador ou a escada rolante;

– Deixe o carro na garagem para percorrer pequenas distâncias, como, por exemplo, aquela ida à padaria;

– No trabalho, tente levantar a cada meia hora e caminhar um pouco pelo ambiente – isto ajuda a evitar as dores;

– Quem pega ônibus para voltar para casa pode descer uma parada antes e fazer o restante do trajeto a pé;

– Pequenas tarefas domésticas, como fazer faxina, levar o cachorro para passear e arrumar a cama colaboram para colocar o corpo em movimento e evitar problemas futuros;

– É importante praticar uma atividade física, pois o sedentarismo pode acarretar dores nas costas, em virtude do enfraquecimento muscular.

 

Dor na coluna em obesos

 

dor-na-colunaCientificamente, verificou-se que o acúmulo de gordura no abdômen do indivíduo obeso predispõe ao aparecimento de alterações posturais, principalmente, a hiperlordose lombar e cervical, associadas a um risco de disfunção na musculatura estabilizadora da coluna, que leva a uma instabilidade desta.

Embora os sujeitos obesos, independentemente do sexo, tenham muita dificuldade na estabilidade e na manutenção do equilíbrio postural corporal, para as mulheres a estabilidade e o equilíbrio ainda se tornam mais difíceis, devido às diferenças anatômicas existentes, como o aumento do tamanho das mamas e as diferenças significativas na região pélvica, que contribuem para o aparecimento da hiperlordose lombar.

Por isso, é importante cultivar hábitos de vida mais saudáveis com uma alimentação equilibrada e a prática regular de atividades físicas, sempre com supervisão profissional.

 

Saúde para a coluna com o Pilates

Mais do que favorecer o bom condicionamento físico, o Pilates ajuda a manter a coluna e o corpo saudáveis. A técnica apresenta um repertório bastante variado de exercícios que se adaptam às necessidades de cada praticante. Os mais diversos públicos podem aderir ao Pilates, pois não existem contra-indicações. Os movimentos podem ser praticados no solo com o auxílio, apenas, de acessórios (como a bola de Pilates e elásticos) ou pode ser executada em aparelhos próprios para Pilates que são ajustáveis e, portanto, permitem facilitar ou dificultar um mesmo exercício, de acordo com o programa personalizado de cada paciente.

Os exercícios de Pilates ajudam no fortalecimento da musculatura responsável pelo suporte à coluna, além de favorecer o relaxamento, livrando o corpo de tensões e estresse que, normalmente, contribuem para o aparecimento de dores. O Pilates também contribui para o desenvolvimento de uma maior consciência corporal. O aluno aprende a cuidar da postura, naturalmente, no dia a dia, evitando a sobrecarga da coluna ou de outras áreas do corpo.