OU
Ver todas as unidades

Saiba tudo sobre desvios posturais

desvios-posturaisTambém chamada de espinha dorsal, a coluna vertebral se articula superiormente com o crânio e inferiormente com o osso do quadril (ilíaco) e é dividida em quatro regiões: cervical (com 7 vértebras); torácica (com 12 vértebras); lombar (com 5 vértebras) e sacro-coccígea (com 4 vértebras).

Vista de frente, a coluna saudável tem aparência reta. Quando vista lateralmente, ela tem uma forma que lembra a letra “S”. As vértebras que constituem a coluna estão ligadas umas às outras através dos discos intervertebrais que protegem a região dos impactos (funcionam como amortecedores). Dessa forma, a mobilidade da coluna se torna possível sem o risco de danos. A mobilidade também é viabilizada pela ação de músculos e ligamentos associados à região. É assim que a coluna vertebral funciona de maneira harmônica, mas diversas estruturas estão – e devem estar – envolvidas.

 

Qual a função da coluna vertebral?

 

Em sua estrutura, a coluna vertebral apresenta curvaturas consideradas fisiológicas, a saber: Lordose/cervical (convexa ventralmente); Cifose/torácica (côncava ventralmente); Lordose/lombar (convexa ventralmente); Cifose/pélvica (côncava ventralmente).

Dentre as principais funções inerentes à coluna, podemos mencionar o suporte do peso do corpo; a proteção da medula espinhal e dos nervos espinhais; a promoção de maior flexibilidade ao corpo e também o papel fundamental na locomoção e na postura.

 

O que são os desvios posturais?

 

Se você não adota uma postura correta no dia a dia, quer seja em casa, no trabalho, no lazer ou durante a prática de atividades como dirigir é bem provável que o mau hábito seja responsável pelo surgimento de desvios anormais na coluna: acentuando as curvas (normais) já existentes, gerando a hiperlordose ou a hipercifose, por exemplo ou tornando as curvaturas pouco evidenciadas, neste caso a coluna é reta).

Os desvios posturais, por sua vez, podem levar ao uso incorreto de outras articulações, como ombros, braços, quadris, joelhos e pés. Isso ocorre porque diante do desequilíbrio postural o corpo buscará, naturalmente, compensações a fim de manter o indivíduo em equilíbrio (o que, normalmente, também pode causar enrijecimento e encurtamento dos músculos). Além disso, os desvios posturais poderão acarretar, com o passar do tempo, pressão entre as vértebras, gerando as famosas dores nas costas.

 

Dores nas costas decorrentes de desvios posturais

 

As famosas dores nas costas podem estar associadas a diferentes fatores. Alguns são de ordem mais simples, enquanto outros podem envolver causas bem mais graves, incluindo doenças sérias na coluna vertebral.

Os desvios posturais podem contribuir para a compressão dos discos intervertebrais, isso porque a postura incorreta imposta pelo desvio acaba promovendo uma pressão maior sobre as vértebras, causando dores na coluna e podendo, em casos mais graves, favorecer o acometimento por doenças, como é o caso da hérnia de disco.

Veja também

Sedentarismo e obesidade

 

A vida sedentária é uma grande vilã quando o assunto é coluna. Na verdade, o corpo inteiro padece quando o indivíduo assume hábitos sedentários. Sem uma prática regular de atividades físicas, os músculos de sustentação da coluna vão se tornando cada vez mais enfraquecidos. O resultado é uma coluna suscetível ainda mais aos riscos de lesões e dores.

É aconselhável assumir uma prática regular de atividade física. Escolha, especialmente, uma atividade que trabalhe com foco na coluna vertebral, como é o caso do Pilates. Mas atenção! Nenhum exercício físico pode ser realizado sem a orientação e supervisão de um profissional. Exercitar-se por conta própria pode ser muito perigoso, principalmente se o paciente já sofre com algum problema na coluna, como os desvios posturais. Isso porque qualquer movimento realizado de forma incorreta pode comprometer ainda mais a saúde da região.

Além de favorecer o enfraquecimento da musculatura, o sedentarismo também contribui para a obesidade, outro fator de risco para a coluna vertebral. Pessoas que estão acima do peso se tornam mais suscetíveis aos problemas de coluna, em virtude da sobrecarga que passa a ser oferecida à região. Portanto, fugir do sedentarismo com a prática de exercícios sob orientação de um especialista e adotar uma boa alimentação (saudável e equilibrada) é imprescindível para evitar a obesidade e, assim, favorecer a saúde da coluna.

 

Desvios posturais

desvios-posturais

A hiperlordose
A hiperlordose consiste no aumento do grau da curvatura da coluna cervical e/ou lombar. Quando o paciente é acometido na região lombar sua aparência dá a impressão de um “bumbum empinado”. As causas para a hiperlordose podem ser muito variadas, envolvendo alterações genéticas, hábitos incorretos de postura e fraqueza muscular, por exemplo. O paciente sente dores na região da coluna afetada e, quando realiza alguma atividade que exija mais esforço ou implique movimentos repetitivos, a dor tende a se agravar.

A hipercifose

Nesse caso, o aumento do grau da curvatura se dá na coluna torácica e o paciente adquire uma aparência “corcunda”. Essa alteração também pode ocorrer por diversos fatores: alteração postural, fraturas de osteoporose ou por patologias mais agravantes, como a Doença de Scheuermann e a espondilite anquilosante. Nos casos mais avançados, essa deformidade pode ser percebida, facilmente, observando as costas do indivíduo, e pode ser confirmada por meio da radiografia, exame pelo qual é medido o grau da curvatura. A hipercifose ocorre, principalmente, na terceira idade, sendo mais acentuada nas mulheres.

A escoliose

Quando a coluna vertebral assume uma posição de desalinhamento, contorcendo-se em seu próprio eixo, inclinando-se para frente ou para trás e para os lados, a deformidade é conhecida como escoliose (ocorre um desvio lateral da coluna que forma uma sinuosidade em forma da letra “S”. Existem dois tipos: funcional e estrutural. No tipo funcional, a deformidade ainda não está instalada definitivamente, pois não atinge as estruturas ósseas, somente os músculos; e no tipo estrutural, a curvatura já atinge as vértebras e se fixa. Com relação às causas, a grande maioria dos casos está relacionada com fatores desconhecidos (escoliose idiopática). Outras causas da escoliose estão relacionadas à sequela de doenças neurológicas (paralisia cerebral, poliomielite etc), má formação congênita e ainda pós-trauma. A escoliose pode se manifestar já na infância.

 

Identificando os desvios posturais precocemente

 

Quanto mais precocemente for realizado o diagnóstico das deformidades da coluna melhor será o prognóstico. Os pais devem prestar bastante atenção à postura de seus filhos. Qualquer sinal anormal pode evidenciar um desvio: ombros e quadris desalinhados, proeminência da caixa torácica ao dobrar o corpo, aparência “corcunda”, dentre outras características.

 

Prevenindo as dores posturais

 

desvios-posturaisManter a postura correta não é importante, apenas, para a boa aparência, alterações posturais desde a infância, por exemplo, já predispõem problemas na vida adulta. Daí a necessidade de prevenir hábitos incorretos de postura. Veja:

– Se você trabalha por muitas horas na mesma posição (seja ela sentada ou em pé), procure realizar alongamentos periódicos sempre que puder; levante-se e/ou caminhe um pouco nem que seja para tomar uma água ou o famoso cafezinho e procure obedecer às regras básicas de ergonomia em seu ambiente de trabalho.

– A prática de atividades físicas é bastante recomendada. Um exemplo é o Pilates, método de treinamento indicado para qualquer pessoa: tanto para quem deseja fortalecer a musculatura, quanto para quem tem sérios problemas de coluna. A técnica consegue, com seus equipamentos e atendimento personalizado, promover a melhora considerável dos pacientes. O resultado se torna eficaz porque o Pilates trabalha com a estabilização da coluna, que é o fortalecimento dos músculos profundos, responsáveis por manter as vértebras e seus componentes articulares na posição correta e, dessa forma, os exercícios ajudam a evitar diferentes problemas como: hérnias de disco, espondilólise, protrusão discal e os desvios posturais.

– Cuidar do peso corporal é também uma atitude indispensável se você deseja evitar as dores posturais. O excesso de peso prejudica a manutenção de uma postura correta. Por isso, invista em uma alimentação saudável e equilibrada!

 

O método Pilates

 

Você conhece o Pilates? O método é baseado no conceito de contrologia, que é o controle consciente de todos os movimentos musculares do corpo. Essa propriedade favorece o uso correto da força, sem o desperdício de energia em nosso corpo. Para proporcionar a gama de benefícios possíveis e ter uma melhor eficácia na série de atividades, o método Pilates utiliza seis princípios: concentração, respiração, alinhamento, controle de centro, eficiência e fluência de movimento.

Vamos entender o funcionamento de cada um desses princípios:

– Respiração: é ela que favorece a organização do tronco, a estabilização da região lombo-pélvica e o relaxamento da musculatura inspiratória acessória dos ombros e do pescoço.

– Concentração: provoca a transformação do pensamento em movimento, dando-se importância a todas as partes do corpo para que os movimentos sejam realizados com eficiência. Durante a aula, o praticante deve estar com o pensamento ali e não “passeando” por outros lugares.

– Controle: está intimamente ligado à concentração e se refere ao aprendizado motor dos movimentos.

– Fluidez: somada à leveza evita o desperdício de energia, permitindo a utilização, apenas, da energia necessária à realização daqueles movimentos.

– Centro: o chamado “POWER HOUSE”, ou centro de força. Um conjunto de músculos responsáveis pela sustentação da coluna e dos órgãos internos. Uma vez fortalecida, essa musculatura proporciona a estabilização do tronco e um alinhamento biomecânico com menor gasto energético.

– Precisão: melhora o controle e o equilíbrio dos diferentes músculos envolvidos num determinado movimento, sem que haja gastos energéticos desnecessários, provocados por contrações inadequadas.

O Pilates oferece um grande repertório de exercícios variados. Nenhum paciente segue a um modelo padrão de exercícios. Tudo vai depender das necessidades individuais e também das limitações de cada um. O avanço de cada paciente é algo extremamente individual, pois cada um tem um ritmo específico e o método do Pilates respeita isso. O importante é que o praticante progrida dentro de suas condições e não da mesma forma que os outros.

Pilates e a consciência corporal

desvios-posturaisSabe-se que a boa postura é essencial para manter a coluna saudável. Mas nem sempre é possível ter uma atenção adequada à postura no dia-a-dia. Enquanto você trabalha, estuda, cuida da casa, dirige, dorme ou cumpre diferentes atividades rotineiras quase nunca você procura ter atenção com a sua postura.

A postura correta faz parte de um processo que envolve o corpo e a mente. Trata-se de um aprendizado e não, simplesmente, de uma mudança repentina de hábitos. E o Pilates é um dos principais responsáveis por este aprendizado. Ao iniciar as sessões, o paciente já percebe que em todos os exercícios ele precisará de um trabalho conjunto entre sua mente e seu corpo. A execução correta dos movimentos vai depender disso. Por isso, o profissional acompanhante orienta o paciente paulatinamente sobre como trabalhar o seu programa de exercícios sincronizando aspectos físicos e mentais.

O trabalho realizado dentro dos estúdios acaba produzindo uma consciência corporal, isto é, o paciente adquire aprendizados que tornam alguns hábitos naturais. Ele começa a conhecer melhor o seu corpo, a entender o seu funcionamento, percebendo-se melhor. Isso inclui os cuidados com a postura. Dessa forma, durante a realização até mesmo de atividades mais simples, o paciente consegue adotar uma postura correta sem se esforçar para isso: trata-se de um comportamento natural para ele, decorrente do aprendizado.

A consciência corporal também é importante para a própria segurança do paciente. Conhecendo melhor seu corpo, o paciente consegue identificar os seus limites para que não se exponha aos riscos de lesões e até doenças (diferentes patologias surgem por conta do próprio indivíduo que muitas vezes acaba levando o seu corpo além do que ele é capaz de suportar ou realizar). Mesmo durante a prática do Pilates, sua segurança é maior ao conhecer as limitações que apresenta.

Como o Pilates auxilia o paciente com desvios posturais?

O Pilates apresenta um programa de exercícios específicos que ajudam a fortalecer e estabilizar o alinhamento corporal. A técnica está focada no fortalecimento da musculatura abdominal que, uma vez tonificada, reduz o sobrecarregamento da coluna. Com a prática, o aluno alcança músculos fortes e flexíveis, conservando as articulações livres de sobrecarga.

O Pilates pode ser considerado uma técnica de reeducação do movimento que enfatiza o reequilíbrio muscular sempre preservando a segurança e efetividade dos movimentos (todos os exercícios são realizados com uma atenção cuidadosa à postura). RESULTADOS: O Pilates corrige a postura, alivia dores, evita a progressão dos desvios posturais e previne lesões. Na verdade, os benefícios oferecidos pelo método envolvem uma lista bem maior. É bem-estar para o corpo e para a mente.